terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Como elaborar um plano de aula

Aqui vai um pequeno passo-a-passo de como planejar uma boa aula. O planejamento é fundamental para o sucesso de uma aula, então sempre antes de entrar numa sala é importante saber exatamente o que se vai fazer.

1º Passo: Definir o tema.

O ponto de partida é o tema da aula. A escolha do tema de aula terá de ser de acordo com o conteúdo dos planos de unidade didática das turmas.
Por exemplo, no 6º ano do Ensino Fundamental, poderemos trabalhar a "Chegada do Homem à América", ou "A Formação das primeiras civilizações". Já no 7º ano pode-se trabalhar: "A formação das 13 colonias inglesas na América" ou "O uso de trabalho compulsório na América Colonial".

2º Passo: Definir o objetivo.

Definir as competências e habilidades a serem desenvolvidas nos alunos. As principais habilidades a serem desenvolvidas são: identificar variáveis, compreender fenômenos, relacionar informações, analisar situações-problema, sintetizar, julgar, correlacionar.
As habilidades devem ser usadas para trabalhar as competências. Como exemplo poderíamos ter como objetivo numa aula para o 6º ano do Ensino Fundamental sobre "A importância dos calendários para o estudo de História" o reconhecimento dos acontecimentos históricos em sua temporalidade, as relações entre anterioridade e posterioridade, ou o reconhecimento que das diferentes formas histórico-sociais de marcação de tempo.

3º Passo: Pesquisar

A ideia para uma aula, no caso de História, poderá surgir através de uma música ouvida no rádio, de uma frase  de um anúncio publicitário, da cena de um filme, de um jornal ou uma revista folheada ao acaso.
Um ótimo exemplo é utilizar-se de um evento conhecido pelos alunos, como o futebol. Pode-se começar uma aula falando sobre o resultados dos jogos da Taça Libertadores da América e, então, indagar "mas quem foram estes libertadores da América?". A partir dai pode-se criar uma ponte para discutir o processo de emancipação das colonias americanas no século XIX.
O professor deve, na medida do possível, construir o seu próprio material de pesquisa, com recortes de jornais e revistas, livros, vídeos e outros.

4º Passo: Criar estratégias

A definição da estratégia está relacionada com a idade e com o desenvolvimento psicossocial dos alunos. Há que ter em conta a maneira como os alunos poderão interpretar o tema, o modo como o tema os poderá afetar e o tipo de atividade que lhes poderá interessar.

- Motivação

Todas as atividades precisam de uma motivação. Motivar é criar interesse pelo tema e vontade de saber mais sobre ele. É necessário que haja motivação desde o início até ao fim da aula. Quando nos apercebemos que o ritmo da aula já se alterou e que o interesse dos alunos pela mesma está perdendo-se, urge encontrar nova motivação que os incentive a ter novo interesse pela aula e gosto pela matéria lecionada.
A motivação pode estar ligada à percepção da utilidade do assunto, à possibilidade de aplicação prática na vida, ao reconhecimento dos resultados e ao interesse real e envolvimento emocional do professor. O reforço positivo de comportamentos dos alunos é, também, altamente motivador.

- Desenvolvimento

Através de uma dinâmica de grupo, solução de algum quebra-cabeça, ou algum jogo, entre outras hipóteses, estabelecer um diálogo e discutir sobre as questões relacionadas com o tema, visando alcançar sempre os objetivos estabelecidos. Não se pode durante uma aula sobre "O Império Romano", sobre como os imperadores organizavam lutas entre gladiadores, se o objetivo da aula era entender o conceito de império, por exemplo.

- Avaliação

Criar uma atividade recreativa, de preferência interativa, como a criação de frases, textos, exercícios de compreensão no qual os alunos possam, de alguma forma, aplicar os seus conhecimentos, recapitular os conteúdos apreendidos e, finalmente, sintetizar o que foi concluído em relação à matéria. A avaliação dos alunos deve ser constante e diária, o processo de aprendizagem não acontece do dia para a noite, e organizar somente uma avaliação ao final do bimestre pode trazer surpresas desagradáveis ao professor.

5º Passo: Avaliar resultados

É fundamental que o professor, após uma aula, avalie o seu próprio desempenho, tendo em conta os seguintes aspectos: Criatividade, intuição, motivação, interesse, clarividência, confiança, segurança ou, por outro lado, confusão, insegurança, desmotivação, desinteresse, rigidez etc.
No âmbito desta auto–avaliação, o professor deve ainda perguntar-se se soube explorar pontos interessantes e relevantes para a discussão levada a cabo em aula. Se a aula perdeu ritmo e se tornou monótona por alguma razão e o que deveria ter feito para que tal não acontecesse; se houve momentos em que se afastou demasiado do seu objetivo e se, em função disso, a aula foi prejudicada. 
Pode-se fazer uma tabela de acompanhamento, para que esta avaliação não se perca na próxima vez em que o professor for aplicar a mesma aula. Assim, a cada ano que passa, e a cada turma em que aplica esta aula, o resultado tenderá a ser melhor do que da primeira vez em que tentou.

3 comentários: